Marina Silva diz que amazonenses clamam pela construção da BR-319 para “passear de carro”

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, participou de um interrogatório na CPI das ONGs, liderada pelo senador Plínio Valério (PSDB-AM), onde questionou as acusações relacionadas à não conclusão da BR-319, que liga os estados do Amazonas e Rondônia. O senador a havia apontado como responsável pelo impasse na conclusão da rodovia.

Durante o interrogatório, Marina Silva destacou que o estado do Amazonas teve diversos representantes no governo federal, incluindo ministro dos Transportes, senadores e deputados federais, ao longo dos últimos 15 anos, período em que a estrada não foi concluída.

Ela ressaltou: “Eu saí do Ministério do Meio Ambiente em 2008. Eu estou voltando em 2023, portanto, 15 anos depois. Por que não fizeram a estrada?”. A ministra destacou que a responsabilidade não recai apenas sobre seu período à frente do Ministério do Meio Ambiente.

Marina Silva questionou a afirmação de que a estrada não foi concluída devido à falta de licença ambiental durante o seu mandato. Ela argumentou que a não conclusão da BR-319 se deve à dificuldade em provar sua viabilidade econômica e ambiental, especialmente considerando a necessidade de preservar mais de 400 quilômetros de floresta virgem.

“A não ser que seja para converter os mais de 400 quilômetros de floresta virgem em outra atividade, não tem viabilidade”, afirmou a ministra. A discussão na CPI das ONGs sobre a BR-319 destaca a complexidade das questões ambientais e de infraestrutura na região amazônica.

Fonte: AM Post